Daens: um grito de justiça

Daens: um grito de justiça é um filme cuja narrativa situa-se numa região industrial da Bélgica, pouco depois do ano de 1890.

O tema do filme é o conflito entre os operários e os empresários industriais, num capitalismo de super exploração do trabalho, com praticamente nenhuma legislação que assegurasse os direitos dos trabalhadores.

Além dos baixos salários, a longa jornada, o trabalho da mulher, a exploração do trabalho infantil ou a ausência da proteção previdenciária, a luta pelo direito dos trabalhadores à participação política e ao voto, são alguns dos temas sociais que o filme retrata.

Além disso, há o embate entre os interesses dos empresários, o confronto ideológico, trazido pelo fortalecimento dos movimentos socialistas, a atividade da imprensa, as a postura do clero, parte movida pela recente publicação da Encíclica Rerum Novarum, do Papa Leão XIII, iniciando a formulação da Doutrina Social da Igreja, enquanto outra parte alinda mantém-se completamente alheia a estes temas e apoiando-se na conciliação com os interesses da burguesia industrial e o ambiente político e legislativo da época.

Interessante observar como o filme foi capaz de destacar por meio da figura de Daens, um padre oriundo do meio operário, a saga das famílias trabalhadoras, sua compreensão da vida, sua situação dentro das fabricas, sua luta por direitos sociais e políticos. E, como agia a buroguesia industrial para conter os avanços sociais e políticos, afim de assegurar a manutenção dos seus interesses de exploração do trabalhadores.

Segue, em duas partes, o filme.

Daens: um grito de justiça – parte 1

Daens: um grito de justiça – parte 2